SER CRIANÇA É ... O cantinho da nossa Alma onde se é genuinamente feliz. É onde queremos que estejam todas as crianças que conhecemos e aquelas que não conhecemos. As nossas e as dos outros. As daqui e as de além.

Queremos fazer desse canto da Alma uma mansão cheia de portas e túneis, um castelo ou uma gruta com espaço para aventuras em terra, no espaço, ou no mundo subaquático. Aqui, os monstros e as fadas podem fazer corridas de carros contra os animais das fábulas. Aqui vamos contar, ilustrar, animar, vamos trazer quem saiba escrever sobre coisas interessantes para os miúdos e para os graúdos deles. O nosso limite é o da imaginação. E todos nós sabemos onde ela leva as crianças...

terça-feira, 30 de março de 2021

O André Semeão não tem um cavalo

 


A Marcy Campbell também não tem um cavalo mas teve vacas, galinhas, cães e gatos, e às vezes tinha patos e porquinhos. Mas isso era na quinta onde vivia com os pais. Lá, não havia livros para crianças e a autora do conto que hoje ouvimos inventava os seus próprios livros! Aos 5 anos de idade desenhava o melhor que sabia e escrevia as poucas palavras que aprendera em muitas folhinhas que depois colava umas às outras para criar aqueles livros mágicos.

“O André Semeão não tem um cavalo” foi o primeiro livro que publicou. E ao fazê-lo, ofereceu a todos os educadores uma ferramenta poderosa para abordarmos um tema importante: a desigualdade. Quando procurámos obras que falássem sobre empatia, respeito pelo outro, este “saltou” à vista. A história é simples, a mensagem é clara, e as ilustrações...são perfeitas. É dos livros que temos que segurar nas mãos, explorar. É um carrossel de emoções, como o são as crianças: indignam-se, irritam-se, têm dúvidas e certezas absolutas que depois, afinal, não são...e entendem. Ao verem o mundo, percebem. Precisam é de “virar à esquerda” de vez em quando...como a Clara fez naquele dia com a mãe...

Original de Marcy Campbell  //  Lido a partir de “O André Semeão não tem um cavalo” – Fábula

Sem comentários:

Enviar um comentário

Depois de receberem a mensagem, os Mostrengos vão preparar o Caldeirão das Respostas.
Vamos adicionar ingredientes grotescos, polvilhar com purpurinas e pózinhos e quando estiver tudo a borbulhar, enviamos o mail com o resultado. Combinado?