SER CRIANÇA É ... O cantinho da nossa Alma onde se é genuinamente feliz. É onde queremos que estejam todas as crianças que conhecemos e aquelas que não conhecemos. As nossas e as dos outros. As daqui e as de além.

Queremos fazer desse canto da Alma uma mansão cheia de portas e túneis, um castelo ou uma gruta com espaço para aventuras em terra, no espaço, ou no mundo subaquático. Aqui, os monstros e as fadas podem fazer corridas de carros contra os animais das fábulas. Aqui vamos contar, ilustrar, animar, vamos trazer quem saiba escrever sobre coisas interessantes para os miúdos e para os graúdos deles. O nosso limite é o da imaginação. E todos nós sabemos onde ela leva as crianças...

terça-feira, 30 de abril de 2019

AS IDEIAS DA BIA



Elizabeth Baguley escreveu o conto de hoje. É britânica e vive em Nottinghamshire. É professora e contadora de histórias.

Foi divertido pesquisar sobre Elizabeth. Nesta entrevista concedida à página Author Hotline ficamos a saber que se define como exuberante, distraída e dramática; tem medo do escuro e ooze é a sua palavra favorita (é assim como “lama” ou “slime” para usar uma palavra que sendo estrangeira também é mais próxima de ooze).

De todas as personagens que criou, diz identificar-se com Bia, a personagem principal do nosso conto. São ambas inventivas e gostam de tralha.

O que Bia também tem é autoconfiança. Muita mesmo. E apesar dos meninos dizerem que as meninas não sabem brincar ela decide provar-lhes que estão errados.

O ensinamento mais forte que retiramos deste conto é que no que toca a imaginação e brincadeiras entre crianças não há espaço para discriminação. Meninos e meninas podem ser e fazer o que quiserem! Construir e destruir, limpar e sujar, guerrear e fazer a paz…quanto a nós, adultos, cabe-nos não esquecer que esse foi (e tem que continuar a ser) o nosso lema.

Original de Elizabeth Baguley  //  Lido a partir de: "As ideias da Bia" - Minutos de leitura


Sem comentários:

Enviar um comentário

Depois de receberem a mensagem, os Mostrengos vão preparar o Caldeirão das Respostas.
Vamos adicionar ingredientes grotescos, polvilhar com purpurinas e pózinhos e quando estiver tudo a borbulhar, enviamos o mail com o resultado. Combinado?