SER CRIANÇA É ... O cantinho da nossa Alma onde se é genuinamente feliz. É onde queremos que estejam todas as crianças que conhecemos e aquelas que não conhecemos. As nossas e as dos outros. As daqui e as de além.

Queremos fazer desse canto da Alma uma mansão cheia de portas e túneis, um castelo ou uma gruta com espaço para aventuras em terra, no espaço, ou no mundo subaquático. Aqui, os monstros e as fadas podem fazer corridas de carros contra os animais das fábulas. Aqui vamos contar, ilustrar, animar, vamos trazer quem saiba escrever sobre coisas interessantes para os miúdos e para os graúdos deles. O nosso limite é o da imaginação. E todos nós sabemos onde ela leva as crianças...

quinta-feira, 21 de março de 2019

O ELEFANTE COR-DE-ROSA



A nossa vida é feita de etapas. Na infância vivemos muitas e querem-se todas alegres e positivas.

Nas famílias, grandes ou pequenas, cada elemento é um mundo e cabe-lhe transmitir à criança valores, conhecimento, experiência e apoio. E, ainda que tentemos resguardá-la dos males do Mundo há coisas que fazem parte disto de crescer. A perda é talvez a mais difícil de lidar. Nem nós, adultos, sabemos bem como reagir: se choramos ou reprimimos, se nos fechamos ou pedimos ajuda, se lembramos ou fazemos por esquecer…

A perda de um ente querido, a perda da inocência, da certeza que aqueles que amamos vão viver para sempre, são temas que hoje estudamos melhor e sobre os quais encontramos mais informação. Mas, e quando é a nossa criança a lidar com estas experiências?

Podemos começar por abordar a temática recorrendo à melhor ferramenta: a subtileza de um conto.

Com mestria Luísa Dacosta encapsula a dor e assume-a. O nosso herói lida com ela. Tem que fazê-lo, faz parte do caminho que tem que percorrer. Fica “só, no sozinho”. Mas a autora, de forma quase poética, mostra que o tempo passa e que há mais mundo, mais gente, mais Vida.

Este conto de 1974 faz parte do Plano Nacional de Leitura e traz para junto de nós uma escritora formada na Faculdade de Letras de Lisboa, em Histórico-Filosóficas, professora do ciclo preparatório e acérrima defensora das crianças e do sonho.
A obra de Luísa Dacosta amplamente dirigida ao público infantil celebra isso mesmo: a inocência, a pureza, o sonho, o deslumbramento.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Depois de receberem a mensagem, os Mostrengos vão preparar o Caldeirão das Respostas.
Vamos adicionar ingredientes grotescos, polvilhar com purpurinas e pózinhos e quando estiver tudo a borbulhar, enviamos o mail com o resultado. Combinado?